quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Divagações inúteis sobre eleições

É bem notório quando esta época chega, pois rapidamente surgem divulgações de candidatura de todos os tipos, a mídia é parcialmente interditada, as ruas são poluídas de diversas formas, porém  nada mais perceptível  que as melodias usadas pra campanha política. O que faz alguém pensar que carro de som faz ganhar votos? O que faz alguém votar em outrem apenas porque ouviu a musiqueta  deste ecoando pelas ruas? O pior de tudo é que essas sinfonias tem o poder de penetrar a mente do eleitor  de uma forma extraordinária como que por osmose e ficam tão empregnadas que de repente ele vai se pegar cantando ou pensando na musiquinha quando estiver no ônibus ou  andando pelas ruas que por sua vez também estarão poluídas com cartazes e panfletos  de vários candidatos que não possuem  o mínimo de vergonha na cara e sujam as ruas com suas próprias  imagens.
Se o eleitor bem refletisse baniria de sua lista de opções os candidatos que recorrem a esses recursos, é bem evidente que quando o candidato não se preocupa em manter uma conduta correta na sua própria campanha eleitoral, o mesmo depois de eleito não vai se preocupar com ela. O mais interessante disso tudo é o dicurso quase padrão utilizados pelos candidatos, e a maior probabilidade de vencer as eleições está com aquele que tem mais eloqüência, dicção desenvolvida e demagogia aflorada.
É paradoxalmente  cômico e revoltante o fato de que essas práticas perduram  por gerações e aparentemente vão sobreviver por muitas gerações vindouras, o intrigante é que as pessoas não se preocupam em mudar isso preferindo aderir a passividade , é melhor pensar que se divertem e que visam a política como forma de entretemimento.

5 comentários:

gabyshiffer disse...

Infelizmente a única arma é o voto mas algumas pessoas não pensam nisso.
...
Vim lhe desejar uma boa Noite

:)
Boa Quinta pra vc
Beijos na alma!
"A vida é mais simples do que a gente pensa; basta aceitar o impossível, dispensar o indispensável e suportar o intolerável." (Kathleen Norris)

Orlando & Crônicas disse...

Ólá!

Ainda que questionemos e nos aborreçamos, a política é arte movida ao markenting cujo poder massificador revela-se quando somos "obrigados" a mentalizar uma imagem, mensagem ou "música" de pseudos candidatos.
Há algum tempo, por muito pouco não acabei votando em um outro candidato "levado" por uma marchinha de campanha que, por mais que me esforçasse, não me saía da cabeça.

Abraços,
Orlando.

Dualys F. Souza disse...

É realmente! Essas musicas monótonas só servem para cefaléia.
Meia volta estou cantando sem querer!
É incrivel como elas se aglomeram em seu subconciente!
Enfim, são pragas!

Lucas disse...

Lamentável

Hamires Cristine disse...

Ow. Tem um selinho pra ti, flor!

Pega lá.

http://umamenteemtransicao.blogspot.com/2011/03/selo-esse-blog-tem-amigas-de-verdade.html